Blog ofGisela Arnaud

Dietitian (Nutricionista) · 5021N

Nutrição personalizada! Porque tuas necessidades são únicas!

New post

Ataxia do Gluten...você sabe o que é isso?

Thursday, June 23, 2022

Ataxia, de um modo geral, significa uma espécie de dificuldade na coordenação motora. Não é uma doença em si mesma, mas sim o sinal de que há qualquer coisa que não está a correr muito bem. Um sintoma. Não estou aqui a dizer que o consumo de gluten gera esse tipo de distúrbio em todas as pessoas. O que mostro com esse artigo é que há estudos recentes que têm associado a evolução de problemas neurológicos e de coordenação motora, nomeadamente em adultos, ao consumo de gluten por indvíduos geneticamente predispostos. A Doença Celíaca (DC) acomete cerca de 1% da população mundial, ou seja, em toda a Europa, 1 em cada 200 indivíduos é portador de DC. Conforme estudo realizado em 2018, a prevalência de celíacos em Portugal varia entre 1 e 3%, ainda que apenas 15.000 portugueses estejam devidamente diagnosticados. Muitas vezes silenciosa, a DC possui uma incidência bastante frequente em adultos, com cerca de 25% de novos casos diagnosticados em pessoas com mais de 60 anos de idade (1).

Classicamente caracterizada por lesões progressivas no intestino delgado, com consequente atrofia de suas vilosidades, decorrentes do consumo de glúten em indivíduos geneticamente predispostos, a DC pode gerar défices nutricionais importantes, devido à malabsorção de nutrientes, e apresentações clínicas variáveis (2).

Além dos sintomas clássicos, como diarreia ou obstipação, perda de peso e dores abdominais, a malabsorção gera uma desordem orgânica multissistêmica e pode afetar um ou mais órgãos, nomeadamente o pâncreas, coração, fígado, tireoide, bem como gerar distúrbios ósseos. Entretanto, ainda que não estejam presentes os sintomas, podem ocorrer alterações do sistema nervoso que têm sido associados ao consumo de glúten (AG) (2).

Durante muito tempo a DC foi diagnosticada em decorrência do aparecimento de distúrbios gastrointestinais. Porém, nas últimas décadas, inúmeros estudos têm demostrado que as doenças relacionadas ao consumo de glúten (DRG) podem apresentar manifestações extra intestinais, independentemente da ocorrência dos sintomas considerados “clássicos”. Desordens neurológicas e psiquiátricas têm sido relatadas com maior frequência. Ainda que mais raras em crianças, estima-se que a prevalência em adultos seja maior do que 36%, com especial ênfase para as neuropatias periféricas, epilepsia e ataxia cerebelar (3).

Ataxia cerebelar, ou ataxia do glúten, é uma reação autoimune capaz de gerar danos ao cerebelo em resposta à ingestão de glúten e pode comprometer a marcha, a coordenação muscular e o controle fino dos movimentos voluntários. É uma doença de progressão lenta e costuma manifestar-se em adultos em torno dos cinquenta anos de idade (4).

Descrita inicialmente como “Ataxia Idiopática” observada em pacientes com anticorpos anti-gliadina (AGA), o diagnóstico tardio da Ataxia do Glúten (AG) pode desencadear danos neurológicos irreversíveis. Muitos pacientes com distúrbios neurológicos decorrentes da Doença Celíaca não apresentam manifestações intestinais. Estudos realizados nas últimas décadas demonstram que a prevalência de sintomas extra intestinais tem aumentado entre adultos e crianças, o que pode ser atribuído às controvérsias referentes aos métodos de diagnósticos e agravar os danos causados, visto que a dieta isenta de glúten é a forma mais efetiva de tratar a doença e evitar a evolução dos sintomas (4).

É importante destacar que a apresentação de distúrbios neurológicos na ausência de enteropatia associada ao glúten, em razão de biopsia negativa, não deve descartar a investigação de uma possível sensibilidade ao glúten não celíaca (SGNC) e, neste caso, os anticorpos anti-gliadina (AGA) e anti-endomísio (EMA) seriam marcadores possíveis. Ainda que os mecanismos responsáveis por desencadear a SGNC não estejam bem descritos, são frequentes as manifestações extra intestinais, sendo a Ataxia do Glúten uma das mais comuns. A melhora dos sintomas decorrente da adesão à dieta isenta de glúten tem sido frequentemente descrita (5).

Estudo inglês, realizado por gastroenterologistas do Academic Department of Neurosciences and Neuroradiology, Sheffield, UK, avaliou a prevalência de distúrbios neurológicos e a presença de anticorpos TG-6 em 100 pacientes com doença celíaca recém diagnosticada. Todos os pacientes apresentavam sintomas clássicos da DC. Foi identificado algum tipo de neuropatia em 67% dos pacientes e 40% dos pacientes que tinham anticorpos TG-6 apresentaram exames de imagem do cérebro com alterações na região subcortical. O estudo foi dividido em duas fases. Na fase inicial, os 100 pacientes foram acompanhados por 3 anos (2010-2013) e, após 7 anos, 30 dos mesmos 100 pacientes foram submetidos a novos exames de imagem e dosagem serológica. Um dos principais objetivos deste estudo foi observar o efeito da Dieta Isenta de Glúten quando relacionados ao desenvolvimento, ou agravamento, de distúrbios neurológicos. Foi apresentado como limitação à esta investigação a redução do número de participantes devido à interrupção do estudo em virtude da pandemia COVID-19, mas a DIG mostrou efeitos na reversão de alguns dos sintomas avaliados. Além disso, restou demonstrada a associação entre as neuropatias e a DC (6).

Em conclusão, estudo recente de revisão sistemática sobre as manifestações neurológicas em doentes celíacos, publicado em 2019, evidencia que o risco aumentado de neuropatia e ataxia do glúten nestes doentes já é o suficiente para que os profissionais de saúde envolvidos considerem a investigação sobre a existência de DC em pacientes com distúrbios neurológicos idiopáticos. Devido às divergências sobre métodos de investigação e complexidade no diagnóstico, mais estudos são necessários para que os mecanismos envolvidos nas diversas patologias associadas ao consumo de glúten possam ser melhor elucidadas (6).

Forte abraço,

Gisela Arnaud.

(Artigo escrito no âmbito de pesquisa realizada para a Associação Portuguesa de Celíacos - APC  em novembro de 2021)

Referências

1. Associação Portuguesa de Celíacos. https://www.celiacos.org.pt/ 

2. Osman D, Umar S, Muhammad H, Nikfekr E, Rostami K, Ishaq S. Neurological manifestation of coeliac disease with particular emphasis on gluten ataxia and immunological injury: a review article. Gastroenterol Hepatol Bed Bench 2021;14(1):1-7).

3. Pacitto A, Paglino A, Di Genova L, Leonardi A, Farinelli E, Principi N, di Cara G, Esposito S. Celiac Disease Presenting with Peripheral Neuropathy in Children: A Case Report. Int J Environ Res Public Health. 2017 Jul 14;14(7):785. doi: 10.3390/ijerph14070785. PMID: 28708086; PMCID: PMC5551223.

4. Mearns ES, Taylor A, Thomas Craig KJ, Puglielli S, Leffler DA, Sanders DS, Lebwohl B, Hadjivassiliou M. Neurological Manifestations of Neuropathy and Ataxia in Celiac Disease: A Systematic Review. Nutrients. 2019 Feb 12;11(2):380. doi: 10.3390/nu11020380. PMID: 30759885; PMCID: PMC6412791.

5. Kass-Iliyya L, Sarrigiannis PG, Sanders DS, Hadjivassiliou M. Glycine receptor antibodies and coeliac disease-related neurological dysfunction. Cerebellum Ataxias. 2021 May 3;8(1):12. doi: 10.1186/s40673-021-00135-3. PMID: 33941280; PMCID: PMC8094486.

6. Hadjivassiliou,M.;Croall, I.D.; Grünewald, R.A.; Trott, N.; Sanders, D.S.; Hoggard, N. Neurological Evaluation of Patients with Newly Diagnosed Coeliac Disease Presenting to Gastroenterologists: A 7-Year Follow-Up Study. Nutrients 2021, 13, 1846. https://doi.org/10.3390/ nu13061846 

Achieve your goals with a follow-up that suits you!
Gisela Arnaud
Gisela Arnaud
Dietitian (Nutricionista) · 5021N
Nutrição personalizada! Porque tuas necessidades são únicas!